ISTOBAL, uma referência em internacionalização

By 9 Junho, 2016NOTÍCIA
ISTOBAL-referencia-internacionalizacion

ISTOBAL se converteu nos últimos anos numa multinacional com mais de 700 profissionais e 75 distribuidores em todo o mundo.

Foi nos anos 50 quando o fundador. Ismael Tomás. Decide buscar uma máquina de engrace para os veículos que reparava na sua oficina. Tal e como conta Yolanda Tomás Puchades, CEO Product Development & Marketing de ISTOBAL: “Durante aqueles anos, Ismael decide desenhar e fabricar a sua própria máquina. É o nascimento de ISTOBAL como empresa que desenha, fabrica e comercializa as suas próprias máquinas”. Á máquina de engrace segue-lhe outros equipamentos de lubrificação para a oficina e mais á frente os elevadores.

É na década dos 70, quando ISTOBAL decide dar um salto quantitativo e qualitativo e inicia a sua aventura no mundo da lavagem de veículos. “ A curiosidade, inquietude e valentia fazem que depois de visitar várias feiras de Automóvel e conhecer estes equipamentos que tinham iniciado a sua aparição em outros países, começamos a desenhar a primeira máquina de lavagem de carros espanhola” assegura orgulhosa Tomás Puchades. “ISTOBAL realiza pequenas exportações entre 1960 e 1970 com uma ditadura já na sua fase final, no exacto momento quando começamos a desenvolver uma rede de distribuição fora de Espanha”.

Perante a pergunta o que diferencia ISTOBAL de outras empresas que não puderam conseguir o eles fizeram, Yolanda destaca entre as chaves do exito: “ Um aclara orientação ao cliente desde dos seus inícios, uma saída muito cedo ao exterior, uma aposta forte pelo produto, que se viu reforçada nos últimos anos e a capacidade de manter uma flexibilidade que nos permite adaptar ás necessidades dos nossos clientes”.

A mentalidade empresarial que impera em Espanha foi sem duvida um dos pontos fortes para a sua internacionalização e crescimento. “Muitas empresas espanholas destacam-se na sua capacidade de adaptação, flexibilidade e isto marca a diferença.” Reconhece que encontraram “uma boa doses de criatividade na empresa espanhola”, e que esta deve ser bem gestionada e dirigida a resultados. “A chave é evitar o medo ao fracasso, o que é algo que desgraçadamente não temos na nossa cultura”. O desafio agora é saber potenciar certos valores e melhorar aqueles que se traduzem em robustez para a competitividade da organização.

O mercado mais importante para ISTOBAL continua a estar na Europa, ainda que seja um mercado maduro. Entre os países com mais peso encontram-se Espanha, França, Reino Unido, Áustria, Dinamarca e Holanda. Fora do continente europeu, a sua presença é destacada em Turquia, México e Estados Unidos. No país norte-americano encontraram um mercado de muita competência local, devido que ai existe uma rede de distribuição implantada contra a que é difícil competir. “Nós mantemos um posicionamento diferenciado, com um produto mais europeu, ainda que adaptado ás suas necessidades. E existe um grande potencial no mercado de veículos industriais que estamos a tentar explorar” afirma Puchades.

Rafael Tomás Alfaro, CEO Corporate & Sales Development, explica o motivo pelo qual contam com um departamento dedicado em exclusiva á investigação e desenvolvimento. A máquina que realmente lhes colocou na primeira linha da divisão de lavagem foi a M10 que lançarm em 1992. Foi uma máquina modular e “customizable” que lhes permitiu chegar a todos os mercados europeus e aos tenders internacionais, pelo que pensaram que criar um novo modelo seria uma muito boa opção olhando ao futuro. “Sem duvida podemos dizer que o pai biológico de todas as máquinas que desenvolvemos a partir de então foi a M10”.

“Pensamos que nos próximos anos se podem começar a desenvolver os mercados da Índia e Brasil. Hoje o mercado ainda é reduzido, porque se necessita que o país alcance um certo nível de desenvolvimento para que a lavagem automática tenha uma aceitação de forma séria” assegura Tomás Alfaro.

Existem áreas nas quais ISTOBAL está a trabalhar de maneira mais intensa para conseguir incrementar a sua notoriedade na zona. Uma é a Alemanha, que ainda conta com distribuidores locais, não deixam de ser pequenas empresas as quais as apoiamos para que cresçam e tenham uma posição mais forte no mercado. “O problema é que a nossa competência é alemã, além da sua idiossincrasia a cerca de consumir produtos alemãs”, comenta Rafael Tomás. Outro dos grandes países onde não estão presentes é no Japão: “O maior problema é a própria cultura do país, onde existem grandes dificuldades ou barreiras de entrada”.

Entre os próximos passos está desde do ponto de vista da expansão comercial, crescer em mercados onde há grandes oportunidades de melhora como EUA e seguir de perto oportunidades em novos mercados, como Índia e Brasil.

Em quanto ao crescimento corporativo, ISTOBAL quer continuar a desenvolver a sua rede de filiais. “Poderemos então assentar a ideia de estabelecer uma marca global que faça com que a empresa seja identificada e reconhecida claramente ali onde esteja presente”, assegura  Tomás Alfaro. Por ultimo, assinala que: “Cada vez tem mais peso o foco no usuário final. Necessitamos compreender-lo, já que é o que utiliza os nossos produtos.”

ISTOBAL, cresceu pensando nas necessidades dos seus cliente para melhorar a suas máquina. Foi nessa procura da qualidade onde encontrou novos mercados que abastecer e se somou ao desenho e á criação de produtos que hoje em dia, os situaram como lideres.